Atleta de MTB precisa tomar suplementos?

É muito comum atletas de mountain bike chegarem no meu consultório levando potes de suplementos, indicados por amigos, treinadores ou até nutricionista de outros atletas. Eles vão em busca de informações sobre como utilizar no dia a dia e muitas vezes isso acontece antes de iniciar a consulta nutricional.

Aí vem a pergunta. O que é mais importante? Uma alimentação de qualidade, refeições distribuídas da maneira correta, com as quantidades adequadas de acordo com os treinos ou usar produtos que muitas vezes não tem comprovação científica alguma de sua eficácia?

Infelizmente muitos acreditam que os suplementos são essenciais e que sem eles não se chega ao sucesso no desempenho.

Com toda a minha experiência na área de Nutrição Esportiva, afirmo tranquilamente que a necessidade da suplementação é individual e na maioria das vezes não há necessidade de suplementos proteicos e somente aqueles à base de carboidrato. O mais importante é organizar a alimentação desse atleta.  

Suplementos proteicos, são necessários?

Existe muita controvérsia sobre a “mágica” dos suplementos chamados de Whey Protein ( aminoácidos do soro do leite). São aminoácidos, de alto valor biológico (de boa qualidade) que encontramos em várias fontes alimentares proteicas (como leite, iogurte, ovo e carnes em geral).

A diferença é que o Whey está numa forma mais “quebradinha” enquanto os alimentos serão metabolizados e quebrados pelo nosso organismo. Existe vantagem nisso, de serem mais “quebradinhos”? De acordo com as pesquisas científicas, o efeito é o mesmo (mas claro, muitas vezes a mídia não afirma isso) e que o importante é ingerir a recomendação proteica diária e fornecê-las no momento certo.

Sendo assim, o nutricionista irá avaliar a ingestão diária de proteínas do atleta e verificar se realmente existe a necessidade da suplementação. Eu, particularmente, no cálculo dietético, percebo que o mais fácil é alcançar a necessidade proteica pelos alimentos. Já os outros produtos que prometem muita melhora no desempenho… Esses, vocês podem desconfiar!

A maioria é especulação, muitas vezes baseado em pesquisas com metodologias suspeitas e também financiadas pela própria indústria da suplementação. E existe o grande risco de contaminação por substâncias perigosas que não são informadas no rótulo, que podem fazer mal à saúde! Só mais um detalhe: geralmente são bem caros, não se deixem enganar!

E os suplementos à base de carboidratos?

Esses sim. Muito utilizados e necessário para os atletas. O alto gasto calórico dos treinos, a praticidade da ingestão e a necessidade de carboidrato de alto índice glicêmico para se ter uma rápida absorção desse nutriente são fatores que levam o nutricionista a prescrever esses suplementos ( Ex: maltodextrina, dextrose…).

São esses produtos na forma de gel ou em pó diluídos em água que ajudam os atletas a consumirem carboidrato imediatamente antes de um treino ou competição, ou durante percursos longos acima de 1 hora de duração e até mesmo imediatamente após o exercício para iniciar a recuperação do glicogênio muscular, que foi totalmente utilizado. E para complementar, são bem mais baratos! Cabe no bolso do atleta!

Concluindo, o nutricionista tem o papel de elaborar o plano alimentar, oferecendo os alimentos, pensando nos nutrientes a serem ingeridos e sempre os adequando na vida do atleta.

A Nutrição Esportiva é muito além da suplementação… Os atletas que acompanho sempre relatam melhora no desempenho com uma alimentação adequada e equilibrada. Todos deixam de tomar os produtos “milagrosos”, que muitas vezes era um hábito e percebem os resultados positivos da comida de verdade! Então, fiquem atentos e pensem nisso !

Compartilhe com seus amigos se você gostou deste artigo! Inscreva-se na nossa lista de e-mails para receber conteúdo exclusivo como esse em primeira mão!

Por: Cristiane Rocha Dayrell